AVALIAÇÃO DA COLORAÇÃO NEGATIVA COM VERDE MALAQUITA E DA NESTED PCR PARA DETECÇÃO DE CRYPTOSPORIDIUM SPP. EM AMOSTRAS FECAIS DE PSITACÍDEOS

  • Elís Domingos Ferrari Universidade Paulista "Júlio de Mesquita Filho"
  • Alex Akira Nakamura
  • Bruna Nicoleti Santana
  • Vinicius da Silva Camargo
  • Mariele Fernanda da Cruz Panegossi
  • Bruno César Miranda Oliveira
  • Ana Rita Moraes Nardi
  • Katia Denise Saraiva Bresciani
  • Marcelo Vasconcelos Meireles
Palavras-chave: Cryptosporidium spp., nested PCR, psitaciformes

Resumo

Cryptosporidium spp. são protozoários pertencentes ao filo Apicomplexa, classe Sporozoea, ordem Eucoccidiida e família Cryptosporidiidae, que completam seu ciclo biológico na superfície de células epiteliais dos tratos gastrintestinal, respiratório e urinário de mamíferos, aves, répteis, anfíbios e peixes, causando doença clínica e subclínica. O presente trabalho tem como objetivo determinar a ocorrência deste parasito em psitacídeos do sul de sudeste do Brasil, utilizando as técnicas de coloração negativa com verde malaquita e nested PCR (nPCR), além de observar o índice de concordância entre os testes por meio do coeficiente de correlação Kappa. Coletaram-se, por conveniência, 473 amostras de fezes provenientes de aves de 38 criatórios de diversos estados das regiões sul e sudeste do Brasil. A purificação e concentração dos oocistos foram realizadas por meio de centrífugo-flutuação em solução de Sheather. Para análise microscópica, utilizou-se a coloração negativa com verde malaquita e, após, todas as amostras foram submetidas à extração do DNA genômico dos oocistos e analisadas por meio de nPCR para amplificação de fragmento parcial da subunidade 18S do rRNA de Cryptosporidium spp.. Pela microscopia, a ocorrência do protozoário foi de 3,59% (17/473) e, na nPCR, 5,50% (26/473). O índice de correlação Kappa entre a coloração negativa com verde malaquita e a nPCR foi quase perfeito (Kappa=0,93). A partir destes dados, nota-se que há presença do parasito nos criatórios de estados do sul e sudeste do Brasil e que os testes possuem elevada concordância entre seus resultados. 
Publicado
2016-10-18
Seção
FOTOS - ENCONTRO NACIONAL DE PATOLOGIA CLÍNICA VETERINÁRIA 2017