AVALIAÇÃO DO POTENCIAL ESQUISTOSSOMICIDA DOS FUNGOS ASSOCIADOS ÀS ASCÍDIAS Botrylloides giganteum E Phallusia nigra

  • Letícia Pereira Pimenta Universidade de Franca - UNIFRAN
  • Rita Cássia Nascimento Pedroso Universidade de Franca - UNIFRAN
  • Kátia Aparecida de Siqueira Instituto de Biociências- Universidade Federal de Mato Grosso-UFMT
  • Luís Claúdio Kellner Filho Universidade de Franca - UNIFRAN
  • Jéssica Potomatti Batista Universidade de Franca - UNIFRAN
  • Bruno William Picão Universidade de Franca - UNIFRAN
  • Marcos Antônio Soares Instituto de Biociências- Universidade Federal de Mato Grosso-UFMT
  • Gustavo Muniz Dias Centro de Ciências Naturais e Humanas, Universidade Federal do ABC, Ilhabela – SP
  • Lizandra Guidi Magalhães Universidade de Franca - UNIFRAN
  • Patrícia Mendonça Pauletti Universidade de Franca - UNIFRAN
  • Ana Helena Januário Universidade de Franca - UNIFRAN
Palavras-chave: Ascídias, Atividade esquistossomicida, Botrylloides giganteum, Fungos associados, Phallusia nigra

Resumo

Botrylloides giganteum e Phallusia nigra, selecionados para este estudo são espécies de ascídias abundantes na costa brasileira. Dados de literatura relatam que o extrato metanólico de B. giganteum apresentou atividade antibiótica moderada contra Staphylococcus aureus resistente à oxacilina, no entanto a ação antiparasitária destas ascídias contra a esquistossomose ainda é desconhecida. Portanto, o objetivo deste trabalho foi averiguar o potencial esquistossomicida dos extratos de duas linhagens fúngicas associadas às ascídias em estudo. Os fungos selecionados foram cultivados em meio BDA por 14 dias. As culturas foram extraídas em metanol, fornecendo os respectivos extratos 5A-18 e 8A-8. O potencial esquistossomicida in vitro dos extratos obtidos foi avaliado frente aos vermes adultos de Schistosoma mansoni. As amostras foram testadas nas concentrações de 12,5 a 200 μg/mL num intervalo de 3 dias, e o praziquantel foi utilizado como controle positivo. O extrato 5A-8 ocasionou 50% da morte do parasita na concentração de 200 μg/mL em 48 horas, enquanto 8A-8 não se mostrou ativo nas condições avaliadas. Quanto ao critério de mobilidade, o extrato 5A-18 diminuiu a atividade motora significativa 50% nas concentrações de 25 e 100 μg/mL em 48 e 72 horas, respectivamente. Já o extrato 8A-8 restringiu a movimentação em 50% na dose de 25 μg/mL em 48 horas de tratamento. A avaliação química dos extratos 5A-18 e 8A-8 estão em andamento com vistas ao isolamento dos constituintes ativos presentes.
Publicado
2016-10-18
Seção
FOTOS - ENCONTRO NACIONAL DE PATOLOGIA CLÍNICA VETERINÁRIA 2017