ESTUDO DO POTENCIAL GENOTÓXICO E ATIVIDADE ESQUISTOSSOMICIDA in vivo DA 4-AMINO-1, 2-NAFTOQUINONA SINTÉTICA DURANTE A ESQUISTOSSOMOSE MANSÔNICA EXPERIMENTAL

  • Larissa Daniela Ribeiro Souza Universidade de Franca
  • Francisco Neto Rinaldi Universidade de Franca
  • Fernanda Rafacho Badoco Universidade de Franca
  • Govind G Kapadia Universidade de Howard
  • Lizandra Guidi Magalhães Universidade de Franca
  • Denise Crispim Tavares Universidade de Franca
  • Jualiana Marques Senedese Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto
Palavras-chave: Esquistossomose, naftoquinona, genotoxidade, Schistosoma mansoni.

Resumo

A esquistossomose é uma doença parasitária endêmica em áreas tropicais e subtropicais, datada desde a civilização antiga. Possui como agente etiológico mais comum o helminto Schistosoma mansoni que provoca uma condição crônica de má saúde. Estima-se que mais de 249 milhões de pessoas são afetadas em todo o mundo. Mesmo sendo possível reduzir a gravidade e taxa de mortalidade, a erradicação é impossibilitada devido ao tratamento limitado a um único fármaco, o Praziquantel. Substâncias químicas obtidas a partir de plantas tem proporcionado uma das mais importantes fontes de pesquisa para desenvolvimento de novos fármacos. As plantas produzem variedade de metabólitos secundários, dentre os quais, naftoquinonas, que apresentam potencial uso para fins medicinais devido a suas propriedades biológicas. Estudos revelam que as naftoquinonas e substâncias sintéticas derivadas desse metabólito, como a NAP-14 (4-amino-1,2-naftoquinona) têm efeito antiparasitário notável. Nesse sentido, o presente trabalho avaliou a genotoxidade e atividade esquistomicida do NAP-14 in vivo. Para tanto, o teste do micronúcleo em medula óssea de camundongos Swiss, utilizando doses de 50 e 75 mg/Kg foi empregado para avaliação da genotoxidade e a atividade esquistossomicida da substância na dose de 40 mg/Kg por meio da avaliação dos parâmetros parasitológicos. Os resultados obtidos revelaram que a NAP- 14 apresentou frequências de micronúcleos que não diferiram significativamente daquelas encontradas no controle negativo, revelando ausência de genototoxidade. Em relação à atividade esquistossomicida, observou-se, redução dos ovos/g de tecido do fígado e fezes, proporcionais à redução da carga parasitária total encontrada, 72,91%. No oograma realizado, havia 52,3 % de ovos imaturos, 32,71 % ovos maduros e 13,88% de ovos mortos. O presente estudo revela que a NAP-14 demonstrou-se promissora para o desenvolvimento de novos tratamentos contra a parasitose.

Biografia do Autor

Larissa Daniela Ribeiro Souza, Universidade de Franca
Foi bolsista PIBIC/CNPq (Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica) e  atualmente é bolsista de Iniciação Cientifica FAPESP ( Fundação de amparo a pesquisa do estado de São Paulo) no laboratório de Mutagênese da Universidade de Franca-SP. Trabalha na área de genética, com ênfase em Mutagênese, atua principalmente com genotoxicidade e antigenotoxicidade, atividade antiproliferativa e citotoxicidade de extratos de plantas medicinais, substâncias isoladas e sintéticas.
Publicado
2016-10-18
Seção
FOTOS - ENCONTRO NACIONAL DE PATOLOGIA CLÍNICA VETERINÁRIA 2017