BIOPROSPECÇÃO DE EXTRATOS BRUTOS OBTIDOS DE FUNGOS ENDOFÍTICOS DE MANGUEZAIS COM ATIVIDADE LEISHMANICIDA

  • Carla Cristina Moreira Universidade Federal de São Carlos
  • Genoveva Flores Luna
  • Paulo Henrique Andrade
  • Bianca Soriano
  • Rafael Cavicchioli
  • Fernanda de Freitas Anibal
  • Paulo Teixeira Lacava
Palavras-chave: Ciências Biológicas, Ciências da Saúde

Resumo

Micro-organismos endofíticos são aqueles que colonizam o interior dos tecidos de plantas, sem apresentar efeito patogênico ao hospedeiro, relacionando-se de forma simbiótica. Desde que o primeiro fungo endofítico foi identificado, muita atenção tem sido dada à exploração de novas substâncias que podem ser sintetizadas por eles, entre elas, substâncias que apresentam ação leishmanicida. As leishmanioses estão entre as doenças tropicais negligenciadas e constituem um sério problema de saúde pública em várias partes do mundo. A Leishmaniose Visceral (LV), causada por Leishmania infantum chagasi, se não tratada é uma doença fatal. Dos casos registrados nas Américas, 90% ocorrem no Brasil. Neste trabalho foram testados 8 extratos brutos (EBs) sintetizados por fungos endofíticos dos gêneros Diaporthe e Phomopsis, isolados de plantas de manguezais, em cepas sensíveis à óxido nítrico de L. infantum chagasi. As células foram cultivadas em garrafas de cultura e ajustadas à 1x105 e, em placas de 96 poços, foram adicionados 100 µL dessa suspensão e, no mesmo momento, 100 µL de cada EB nas concentrações finais de 10 mg.mL-1, 1 mg.mL-1 e 0,1 mg.mL-1. As placas foram incubadas a 23º C por 24, 48 e 72 horas. Para a avaliação da viabilidade celular foi utilizado o teste colorimétrico do Alamar Blue®. A leitura foi realizada em espectrofotômetro com absorbância de 650 nm. Os resultados indicam que dos 8 EBs testados, 4 apresentaram atividade leishmanicida nas concentrações de 10 mg.mL-1 e 1 mg.mL-1 nos três diferentes períodos de incubação. Dessa forma, esses dados sugerem potencial para esses extratos, como fonte de novas moléculas bioativas no controle da leishmaniose. 

Biografia do Autor

Carla Cristina Moreira, Universidade Federal de São Carlos
Aluna de doutoramento do Programa de Pós Gradução em biotecnologia da Universidade Federal de São Carlos. O trabalho experimental é realizado nos laboratórios LaMiB (Labortório de Microbiologia e Biomoléculas) e LAP (Laboratório de Parasitologia).
Publicado
2016-10-18
Seção
FOTOS - ENCONTRO NACIONAL DE PATOLOGIA CLÍNICA VETERINÁRIA 2017