FOTOSSENSIBILIZAÇÃO SECUNDÁRIA A LESÃO HEPÁTICA NA FASCIOLOSE BOVINA NA CIDADE DE TUBARÃO, SC.

  • Pâmela da silva Correa unisul tubarão
  • Alexandra Adam
  • Camila Todeschini
  • Guilherme W. Dandolini
  • Kessya Niero
  • Paulo H. Rodrigues
  • Luísa L. Vieira
  • Alexandre S. de Abreu
Palavras-chave: Fascíola hepática, Anemia, Hepatopatia, Histopatológico

Resumo

A fotossensibilização pode ser classificada em três tipos: tipo I caracterizada pela ingestão de substâncias fotodinâmicas, contida em plantas, a tipo II, que ocorre por interferência no metabolismo da porfirina e tipo III caracterizada pela deposição de pigmentos fotodinâmico na pele, secundário a lesão hepática prévia. Em bovinos, a fotossensibilização mais comum de ocorrer é a tipo III, sendo ela relacionada á alterações hepáticas, dentre as quais, a fasciolose e ingestão de plantas hepatotóxicas são mais frequentes. A Fascíola hepática, é parasito da classe Trematoda, que acomete mamíferos, silvestres e domésticos, inclusive o homem, e apresenta ampla distribuição na região litorânea catarinense. Descreve-se o relato de fotossensibilização tipo III no município de Tubarão – SC, acometendo 2% de um rebanho composto por 2.000 bovinos da raça Nelore. Os animais acometidos apresentavam quadro de anorexia, diarreia, lesões de pele exsudativas, evoluindo para lesões crostosas. Ao exame hematológico, um bovino apresentou anemia normocítica e nomorcômica, leucocitose seguida de neutrofilia e hipoalbuminemia. Perfil hepático revelou enzimas hepáticas Aspartato aminotransferase e Gamaglutamil transferase aumentadas. O mesmo animal veio a óbito e na necropsia apresentou icterícia generalizada, fígado reduzido de tamanho, firme e com manchas acinzentadas na superfície capsular e, ao corte, demonstrou diversos trematódeos de morfologia compatível com Fascíola hepática. Ao exame histológico, observou-se fibrose hepática, acúmulo de pigmento biliar e infiltrado polimorfonuclear em espaço porta, além de espessamento de epitélio ductal. O caso foi caracterizado como fibrose hepática, secundária à fasciolose, resultando na ausência de metabolização hepática e consequente acumúlo de substancias fotodinâmicas encontradas na pastagem que o animal estava inserido (Brachiaria spp). O restante do rebanho foi removido da área de exposição solar e tratado com Nitroxinil 34% e protetor hepático, e pomada à base de vitamina A para as feridas.

Biografia do Autor

Pâmela da silva Correa, unisul tubarão
laboratorio de patologia, parasitologia animal
Publicado
2016-10-17
Seção
FOTOS - ENCONTRO NACIONAL DE PATOLOGIA CLÍNICA VETERINÁRIA 2017