AVALIAÇÃO DAS ATIVIDADES CITOTÓXICA E LEISHMANICIDA DE Stizophyllum perforatum (CHAM.) MIERS (BIGNONIACEAE).

  • Osvaine Júnior Alvarenga Alves Universidade de Franca
  • Valéria Maria Meleiro Gimenez
  • Heloiza NIcollela Diniz
  • Ricardo Andrade Furtado
  • Denise Crispim Tavares
  • Marcio Luis Andrade e Silva
  • Wilson Roberto Cunha
  • Ana Helena Januário
  • Lizandra Guidi Magalhães
  • Patricia Mendonça Pauletti
Palavras-chave: Bignoniaceae, citotoxicidade, Leishmania, Stizophyllun perforatum.

Resumo

A espécie Stizophyllum perforatum pertence à família das Bignoniaceae que possui 110 gêneros e 800 espécies, sendo constituídos por árvores, arbustos e lianas. Stizophyllum possui cerca de 20 espécies e estudos com espécies desse gênero evidenciaram esteróides e triterpenos com atividade citotóxica. Os objetivos deste trabalho foram avaliar as atividades leishmanicida e citotóxica das folhas de S. perforatum e analisar o extrato etanólico por CLAE-DAD (Cromatografia de Alta Eficiência acoplada ao Detector de Arranjo de Diodos. As folhas de Stizophyllum perforatum foram secas em estufa e trituradas. Uma alíquota (5 g) foi extraída com etanol. Após filtração, o solvente foi removido sob pressão reduzida, fornecendo 0,54 g de extrato. O extrato foi então submetido ao ensaio com as formas promastigotas de Leishmania amazonensis durante 24 h de incubação nas concentrações entre 50-3,12 µg/mL. Como controle positivo foi utilizado Anfotericina B e negativo DMSO 0,1%. As formas viáveis foram contadas em câmara de Neubauer. A avaliação da atividade citotóxica foi realizada na linhagem celular GM07492A (fibroblastos normais de pulmão humano) pelo ensaio colorimétrico de toxicologia in vitro - XTT. O extrato das folhas apresentou um valor de CI50 (concentração que inibe 50% dos parasitos) de 6,06 ± 2,82 µg/mL e  um valor de CC50 (concentração citotóxica de 50% das células)de 173,5 ± 6,4 µg/mL, o cálculo do índice de seletividade (IS) forneceu um valor de 28,67, mostrando que o extrato foi bem seletivo para a forma promastigota de L. amazonensis. O cromatograma do extrato apresentou oito bandas cromatográficas principais, entre elas o pico em tR 30,06 min apresentou um espectro de UV semelhante ao das flavonas. Deste modo o extrato será avaliado quimicamente com o objetivo de isolar os componentes responsáveis por esta atividade biológica.
Publicado
2016-10-17
Seção
FOTOS - ENCONTRO NACIONAL DE PATOLOGIA CLÍNICA VETERINÁRIA 2017