ENTEROPARASITOSES EM CRIANÇAS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE CABO VERDE, MUNICÍPIO DA REGIÃO SUL/SUDOESTE DE MINAS GERAIS

  • Diego Fernandes Vilas Boas Universidade Federal de Alfenas
  • Leonardo Felipe Silva Borges Universidade Federal de Alfenas
  • Raquel Lopes Martins Souza Universidade Federal de Alfenas
  • Hermínia Yohko Kanamura Universidade Federal de Alfenas
Palavras-chave: Educação, Enteroparasitoses, Frequência, Helminto, Protozoário.

Resumo

Este trabalho constitui parte de um projeto intitulado “Esquistossomose e enteroparasitoses: vigilância epidemiológica associada à educação ambiental e em saúde”, que vem sendo desenvolvido com o objetivo de dimensionar o problema da esquistossomose e das enteroparasitoses, para planejamento e implantação de um programa de vigilância e controle das mesmas, em municípios localizados na área de abrangência da Superintendência Regional de Saúde de Alfenas-MG (SRS-Alfenas), na região sul/sudoeste do estado. A pesquisa de enteroparasitoses em uma população infantil constitui instrumento valioso para se conhecer a qualidade de vida e as condições de saneamento às quais estão sujeitos os moradores daquela comunidade.  O presente estudo teve como objetivo verificar a frequência de enteroparasitos na população escolar de Cabo Verde, MG, um dos municípios da SRS-Alfenas, localizada a cerca de 90km da cidade sede, Alfenas, tendo como público alvo crianças do 4º e do 5º ano do ensino fundamental. Foram convidadas para participarem do projeto 237 crianças, de cinco escolas da rede municipal, duas na zona rural e três, na urbana, e uma escola da rede estadual, na zona urbana. Destas, 182 crianças (76,8%) apresentaram o termo de compromisso, com assinatura dos pais ou responsáveis concordando em participar da pesquisa. As taxas de participação, com fornecimento de material para exame parasitológico de fezes, foram de 57,1% (120/210) e 66,7% (18/27), respectivamente, nas escolas da rede municipal e estadual. As amostras fecais foram processadas pelo método de Lutz (sedimentação espontânea) e as taxas de positividade encontradas variaram de 2,9% a 18,7%, de acordo com a escola envolvida. Não se diagnosticaram casos de helmintoses e entre os protozoários foram detectados Giardia lamblia (4 casos), Entamoeba coli (5 casos) e Endolimax nana (4 casos). Os resultados sugerem diferenças nos graus de risco de aquisição de enteroparasitoses de acordo com o bairro de localização das escolas.
Publicado
2016-10-17
Seção
FOTOS - ENCONTRO NACIONAL DE PATOLOGIA CLÍNICA VETERINÁRIA 2017