OCORRÊNCIA DE LEISHMANIOSE TEGUMENTAR AMERICANA NO ESTADO DE SÃO PAULO

  • Amanda Feba Tetila Universidade do Oeste Paulista
  • Bianca Ayumi Lima Taniguchi Universidade do Oeste Paulista
  • Rogério Giuffrida Universidade do Oeste Paulista
Palavras-chave: Epidemiologia, Leishmaniose Tegumentar Americana, Saúde Pública

Resumo

As leishmanioses são zoonoses, causadas por várias espécies de protozoários do gênero Leishmania e sua transmissão ocorre por flebotomínios do gênero Lutzomyia. No Brasil, a incidência de leishmaniose tegumentar americana (LTA) está aumentando, com surtos epidêmicos nas regiões sudeste, centro-oeste e nordeste. O objetivo do trabalho foi identificar o número de casos diagnosticados de LTA no estado de São Paulo (ESP) no período de janeiro/2007 a dezembro/2013. Trata-se de um estudo de caráter retrospectivo epidemiológico, onde foram coletados dados sobre o diagnóstico da LTA no período selecionado. Os dados foram obtidos através de consulta no banco do SINAN, disponibilizados pelo Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (DATASUS). Por se tratar de um banco de domínio público, não foi necessário submeter o projeto ao Comitê de Ética e Pesquisa. Os resultados e análise estatística foram conduzidos no programa Excel. Avaliamos um total de 2.144 indivíduos diagnosticados com LTA no ESP no período selecionado. Através dos dados obtidos, foi construído um diagrama de controle determinando o índice endêmico por ano, onde os meses com maior pico de casos foi março e agosto. Dos 2144 indivíduos diagnosticados com LTA, 64.9% (1391) eram do sexo masculino e 35.1% (753) feminino. Menor número de casos por 1000000 de habitantes foi visto em 2007 e o maior em 2009. O número de casos em 2008 aumentou significativamente em relação ao ano anterior, isso pode ter ocorrido pela subnotificação no banco do SINAN. Além disso, a LTA segue flutuações sazonais e interanuais em sua incidência, as quais podem estar relacionadas com as mudanças climáticas. Concluímos que meses com temperaturas elevadas e alto índice de chuva favorecem o aumento populacional do vetor. Problemas com notificações no banco do SINAN existem, passando um retrato infiel da realidade de casos de LTA no ESP.

Biografia do Autor

Amanda Feba Tetila, Universidade do Oeste Paulista
Área de Parasitologia Humana e Epidemiologia
Bianca Ayumi Lima Taniguchi, Universidade do Oeste Paulista
Área de Parasitologia Humana e Epidemiologia
Rogério Giuffrida, Universidade do Oeste Paulista
Professor Doutor do Programa de Pós Graduação do Mestrado em Ciência Animal - Área de epidemiologia
Publicado
2016-10-17
Seção
FOTOS - ENCONTRO NACIONAL DE PATOLOGIA CLÍNICA VETERINÁRIA 2017