CARTAS SINCERAS: CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE EPISTOLAR NA CORRESPONDÊNCIA DE MÁRIO DE SÁ-CARNEIRO

  • Matheus Nogueira Schwartzmann Universidade de Franca

Resumo

A sinceridade é uma espécie de forma de vida muito frequente na prática epistolar, o que permite que uma correspondência seja construída, de um sujeito para o outro, enquanto “comunicação sincera”. Ou seja, há casos em que, para que se concretize a prática epistolar, é preciso antes que os interlocutores acreditem no fazer, no dizer e no ser nas cartas manifestados, mantendo estável o campo de presença instaurado na correspondência. Dessa maneira, a reiteração da sinceridade nas cartas, mais que uma forma de vida, é um fazer persuasivo do sujeito, uma estratégia fiduciária que instaura um regime de crença – que constrói esse “ambiente sincero” – que harmoniza, enfim, a correspondência. Neste trabalho, buscaremos mostrar, a partir de alguns exemplos, a maneira como, na correspondência do poeta português Mário de Sá-Carneiro, constrói-se essa identidade que tem como base o efeito de sentido de sinceridade.
Publicado
2012-08-28
Seção
Artigos