A FORMAÇÃO DOS SINAIS EM LIBRAS NA PERSPECTIVA FONOLÓGICA

Resumo

Por muito tempo as línguas de sinais foram desconsideradas como língua, entrelaçadas em concepções que as consideravam como mímica, icônica e animalesca. Diante dessa perspectiva, estudos linguísticos foram germinados, principalmente, no campo da fonologia, garantindo cientificamente o status linguísticos das línguas de sinais. Objetiva-se, então, com a presente pesquisa, justificar com discussões teóricas o uso terminológico para designar a ciência que estuda os constituintes fonológicos que compõem os sinais e, além disso, descrever e exemplificar os parâmetros formacionais dos sinais em Libras. Os resultados apontam que os sinais são constituídos por: 1) configuração de mão (CM); 2) Movimento; 3) Locação/Ponto de Articulação (L/PA). Dessa maneira, com a pesquisa apresentada, conclui-se que a Libras é uma língua natural, viva e, principalmente, está em constante evolução. Denotando que a quantidade dos sinais é ilimitada, o que abre espaço para o surgimento de novos sinais, com outras perspectivas fonológicas.

Biografia do Autor

Maurício Loubet, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
Doutorando no Programa de Pós-Graduação em Estudos de Linguagens da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Mestre em Educação pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.
Publicado
2024-06-10