REATUALIZAÇÃO DA MEMÓRIA DISCURSIVA NO ACONTECIMENTO POLÍTICO-SOCIAL “FORA BOLSONARO, FORA GENOCIDA”: prática de resistência a um governo infame

Resumo

A Pandemia causada pela COVID-19 trouxe consequências gravíssimas no mundo todo. Em outubro de 2021, nosso país atingiu a marca de mais de seiscentas mil vidas perdidas. Desde março de 2020, o coronavírus começou a fazer vítimas, aumentando os índices de morte mês a mês. Temos, a partir daí, um embate biopolítico contra o governo federal, representado pelo atual presidente da república, Jair Messias Bolsonaro, que se pronuncia verbalmente minimizando/negando o potencial mortal do vírus, verbalizando indiferença em relação às notificações diárias sobre o número de mortos (que até a finalização desta escrita somavam 603 mil), contra-atacando os métodos científicos para combater o coronavírus, divulgando e impondo a adoção sistemática de medicamentos ineficazes, disseminando notícias falsas e desinformação por meio de redes sociais e outros suportes digitais. Entre o fazer viver e o deixar morrer, surgem as vacinas contra a doença, e no movimento entre poder e resistência, insurgem-se manifestações discursivas que clamam pela saída do ocupante do cargo de presidente. Dentre essas manifestações, irrompem as expressões “Fora Bolsonaro”, “Fora Genocida” e “Fora Bolsonaro Genocida”, em todo o país. Ao longo deste percurso, na esteira da Análise de Discurso, analisaremos o funcionamento da memória na produção de sentidos para o acontecimento político-social “Fora Bolsonaro Genocida”, observando como os efeitos de sentido, promovidos pelos enunciados do presidente foram se construindo socialmente, levando uma grande parte da população brasileira a ir às ruas, como um ato de resistência pela vida. Palavras-chave: Memória Discursiva; Acontecimento Discursivo; COVID-19; Análise de Discurso.

Biografia do Autor

Marília Achete Junqueira Garcia, Universidade de Franca
Mestre em Linguística pela Universidade Federal de São Carlos. Doutoranda em Linguística pela Universidade de Franca
Pâmela Tavares de Carvalho, UNIFRAN - Universidade de Franca
Mestre em Linguística pela Universidade de Franca. Doutoranda em Linguística pela Universidade de Franca
Cristiano Donizete Ramos, Universidade de Franca
Especialista em Educação Empreendedora Mestrando em Linguística pela Universidade de Franca.
Luciana Carmona Garcia, Universidade de Franca
Doutora em Linguística pela Universidade Federal de São Carlos Docente Pesquisadora e Coordenadora do PPG Linguística da Universidade de Franca.
Publicado
2021-11-23