FANATISMO E POLíTICA. contornos e retornos do discurso político-autoritário de invocação messiânica

Resumo

Filiado à Análise de Discurso (Pêcheux-Orlandi) o presente artigo analisa a interrelação entre o discurso religioso e o político, a fim de compreender a organização discursiva que institui práticas autoritárias de Estado.  Para isso, ampliamos a discussão efetuada por Klemperer (2009) sobre o funcionamento filológico-discursivo da palavra “fanático” na linguagem nazista, e demonstramos como esse funcionamento retorna na atualidade, analisando os resultados do buscador Google para a palavra fanático, bem como sua implicação no funcionamento do discurso político do governo Bolsonaro.

Biografia do Autor

Ronaldo Adriano de Freitas, Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia Fluminense (IFF/RJ)
Doutor e mestre em Estudos de Linguagem pela Universidade Federal Fluminense (UFF) Graduado em Letras pela Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG) Professor no Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia Fluminense (IFF-RJ)
Rudá da Costa Perini, Universidade Federal Fluminense
Mestre em Estudos de Linguagem pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Graduado em Letras pela Universidade Federal Fluminense (UFF).
Publicado
2021-11-23