Os CAMINHOS DA MEMÓRIA EM FREUD: traço, rearranjo, tradução e índice

trace, rearrangement, translation and index

Resumo

Neste artigo, o qual faz parte de uma pesquisa maior, desenvolvida no Mestrado em “Memória: Linguagem e Sociedade”, objetivamos, discutir o desenvolvimento da concepção de memória na teoria psicanalítica cunhada por Sigmund Freud. Para tanto, realizamos revisões teóricas sistemáticas e buscamos conceituar o modo como a memória se apresenta ao longo da obra do referido autor. Identificamos três momentos principais em que a memória se configura e reconfigura: i) em certos trabalhos, há uma concepção de memória enquanto produção; ii) em um segundo grupo de textos, vemos aparecer uma memória arquivística; e, iii) em um terceiro momento, após tensões e processos de elaboração, a concepção de memória é rearranjada, firmando-se seu caráter de singularidade construída a partir de múltiplos registros.

Biografia do Autor

Laelson Matos Ribeiro Júnior, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia
Mestrando do “Programa de Pós-Graduação em Memória, Linguagem e Sociedade” da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB); Bacharel em Psicologia pela Universidade referida e, atualmente, atua como Bolsista da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia - FAPESB. E-mail: laelsonmrj@gmail.com  
Edvania Gomes da Silva, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia
Possui Doutorado em Linguística, pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP); Docente Titular da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB) - Brasil; Atua no Programa de Pós-graduação em Memória: Linguagem e Sociedade (PPGMLS – UESB) e no Programa de Pós-graduação em Linguística (PPGLin – UESB); Membro do Grupo de Pesquisa em Análise de Discurso (GPADis). E-mail: Edvania.gomes@uesb.edu.br
Publicado
2021-08-12