CARTOGRAFIAS DISSIDENTES: corpo, sexo, gênero e discurso como dispositivos de mapeamentos de resistências e categorias de análise sociais urbanas

Resumo

Neste artigo discuto as inter-relações estabelecidas entre gênero, sexualidade e espaço urbano. O interesse maior recaí sobre os modos como podemos ler as categorias de corpo, sexo e gênero como dispositivos de mapeamentos de resistências que possam auxiliar em análises e descrições do ‘sujeito-queer’ em nossa sociedade, nas diversas análises possíveis. As identidades dissidentes ou ‘desviantes’, ocupam e ressignificam o espaço urbano de formas diferentes, dotando-os de novos significados e, assim, subvertendo seu valor inicial. Desse modo, trago como objeto de leitura a plataforma colaborativa ‘Queering the Map’ demonstrando como o ciberespaço se insere como um dispositivo de cartografias contemporâneas. Na análise faço gestos de leitura e interpretação entendendo a linguagem como performance a partir dos atos de fala e, também, com outras reflexões vindas da teoria da arquitetura e dos estudos urbanos, além das teorias Queer que colaboram com leitura de práticas não-binárias.  

Biografia do Autor

Redson Pagnan, Universidade Presbiteriana Mackenzie
Arquiteto e urbanista. Mestre em Linguística (Bolsista CAPES UNIFRAN/2019), com dissertação em Análise do Discurso.  Doutorando em Arquitetura e Urbanismo na Universidade Presbiteriana Mackenzie (bolsista Capes PROEX).
Publicado
2020-12-30