LEISHMANIOSE EM CÃO NO MUNICÍPIO DE PATOS – PB

Laura Honório de Oliveira Tolentino

Resumo


A leishmaniose visceral possui como agente etiológico a Leishmania chagasi, sendo o Lutzomyia longipalpis o principal vetor incriminado na sua transmissão. Os cães vêm sendo apontados como reservatórios da doença e como hospedeiros domésticos, sendo provavelmente o mais importante reservatório natural relacionado com casos humanos. O diagnóstico muitas vezes é sorológico, mas também é possível encontrar a forma amastigota do parasita em medula, linfonodos, corrente sanguínea e outros tecidos menos frequentes como a conjuntiva por exemplo. A foto em questão traz um aspirado citológico por agulha fina de linfonodo poplíteo hipertrofiado em um cão. A amostra foi corada por Panótico e analisada por microcopia óptica em objetiva de imersão (100X).


Palavras-chave


Zoonose, Leishmania chagasi, linfonodo, PAAF.



DOI: http://dx.doi.org/10.26843/investigacaov1762018p%25p