PERSISTÊNCIA DO QUARTO ARCO AÓRTICO DIREITO EM CÃO: RELATO DE CASO

Isabela Cristina Canavari, Juliana de Oliveira Ribeiro, Camila Goloni, Fabiana Del Lama Rocha, Mariana Queiroz Pinho dos Santos, Gabriel Luiz Montanhim, Júlio Carlos Canola, Mirela Tinucci-Costa, Paola Castro Moraes

Resumo


As alterações dos anéis vasculares são decorrentes de malformações dos grandes vasos e seus ramos, sendo que a persistência do quarto arco aórtico direito é a mais comum em cães. Este trabalho relata o caso de um canino, fêmea, de três meses, com quadro clínico de regurgitação. A radiografia lateral contrastada mostrou constrição esofágica próxima à base cardíaca e sua consequente dilatação cranial. O tratamento instituído foi a correção cirúrgica, por meio da transecção do ligamento arterioso para a liberação do esôfago, bem como o manejo nutricional adequado. O prognóstico é reservado, podendo haver remissão do megaesôfago e melhora do quadro de regurgitações, conferindo ao paciente, melhor qualidade de vida.


Palavras-chave


cardiopatia congênita, anel vascular, megaesôfago

Texto completo:

PDF