DOENÇAS DE SUÍNOS DIAGNOSTICADAS EM CRIAÇÕES DE SUBSISTÊNCIA NA REGIÃO SUL DO BRASIL

Ana Carolina Barreto Coelho, Plínio Aguiar de Oliveira, Bianca Lemos dos Santos, Rosimeri Zamboni, Pablo Estima Silva, Clairton Marcolongo Pereira, Mauro Pereira Soares, Eliza Simone Sallis, Ana Lucia Schild

Resumo


Este trabalho descreve as enfermidades de suínos diagnosticadas no período de 1978 a2015 em propriedades de criação de subsistência na região sul do Brasil. No período do estudo 507 materiais de suínos foram encaminhados ao Laboratório Regional de Diagnóstico da Faculdade de Veterinária da Universidade Federal de Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil. As principais doenças diagnosticadas foram divididas em bacterianas com 28,4% (144/507); virais com 5,1% (26/507); parasitárias com 3,7% (19/507); intoxicações e micotoxicoses com 2,1% (11/507); e carências com 2% (10/507) dos casos. As condições diversas/doenças de etiologia indeterminada representaram 41,4% (210/507) dos casos; e os diagnósticos inconclusivos totalizaram 17% (86/507) dos casos. As enfermidades mais frequentemente observadas em suínos na região foram as doenças infecciosas com destaque para as causadas por bactérias. Dentre as doenças bacterianas, o agente mais comumente envolvido foi Escherichia coli diagnosticado em 11% (56/507) dos casos, sendo a doença do edema a mais prevalente, com 7,9% (40/507). Ressalta-se a necessidade de identificar as enfermidades que afetam suínos em criações de subsistência, pois estas diferem das observadas em sistema de criação intensivo.


Palavras-chave


Patologia Animal ; Ciências Agrárias

Texto completo:

PDF