BALANÇO ENERGÉTICO NEGATIVO NO PERÍODO DE TRANSIÇÃO DA VACA LEITEIRA

Bruno Fianco, Mikael Neumann, Denis Vinicius Bonato, Lucas Ghedin Ghizzi, Angélica Link, Felipe de Lima Wrobel, Robson Kioshi Ueno, Mailson Poczynek, Murilo Klosovski Carneiro, Pedro Paulo Maia Teixeira

Resumo


A produção de leite possui lugar de destaque no cenário agropecuário nacional e ainda tem grande potencial de crescimento, pois o rebanho ainda possui uma média de produção baixa. Uma das formas de reverter a baixa produtividade de leite, é a utilização correta de técnicas alimentares específicas para cada fase do ciclo produtivo da fêmea bovina. O período de transição, compreendido entre três semanas antes e três semanas após o parto, é considerado a fase mais crítica da lactação da vaca com aptidão leiteira. Neste contexto, o objetivo desta revisão é abordar aspectos relativos ao período de transição de vacas leiteiras, salientando medidas de manejo e nutricionais que diminuem a magnitude e o impacto prejudicial do balanço energético negativo (BEN). Durante o período de transição ocorre uma série de mudanças hormonais, alterações nas exigências nutricionais e queda no consumo de matéria seca (CMS), caracterizado pelo aparecimento do BEN, predispondo o animal à quadros de distúrbios metabólicos, refletido em baixa produção de leite. Uma das principais doenças metabólicas relacionadas com o BEN é a cetose, cujo risco pode ser reduzido com o aumento da ingestão de energia dietética após o parto, utilizando fontes de gordura, aditivos (ionóforos) e a administração de propileno glicol. Uma nutrição adequada, que proporcione incremento no consumo alimentar, é fundamental neste período para que a vaca leiteira consiga atender a grande demanda ocasionada pelo crescimento fetal, pela colostrogênese, produção de leite e no caso de primíparas pelo seu próprio crescimento.


Palavras-chave


consumo de matéria seca, cetose, imunidade, produção de leite

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.26843/investigacaov1752018p%25p