SÓ HÁ LIKE NAQUILO QUE FALTA (OU "SÓ HÁ CAUSA DAQUILO QUE FALHA")

Palavras-chave: subjetivação, curtidas, falta, alteridade.

Resumo

Com base na Análise de Discurso de tradição francesa, este artigo reflete acerca dos processos de subjetivação na atualidade, dando enfoque ao papel que os likes, em meio às redes sociais virtuais, podem vir a exercer nessa conjuntura. Como corpus de análise, trazemos um grupo de postagens que apresentam uma regularidade de formulação: são posts que discursivizam sobre as curtidas, tomando-as como tema para suas publicações. Nosso gesto analítico permitiu-nos observar algumas maneiras com que a falta e a alteridade (não) estão significando nesses textos, oferecendo-nos condições para a apreensão de como os likes significam os sujeitos e são significados por eles nas condições de produção do discurso em rede. De fato, apontamos que o efeito de sentido predominante que as curtidas produzem sobre os sujeitos nas redes é da ordem do imaginário, especificamente um efeito imaginário que supriria a falta que nos marca como sujeitos de linguagem e à linguagem. 

Biografia do Autor

Gustavo Haiden de Lacerda, Universidade Estadual de Maringá
Graduando em Letras pela Universidade Estadual de Maringá (UEM) e bolsista de iniciação científica pela Fundação Araucária.
Luciana Cristina Dias Di Raimo, Universidade Estadual de Maringá
Doutora em Linguística Aplicada (Unicamp) e professora do departamento de Língua Portuguesa da Universidade Estudual de Maringá (UEM).
Publicado
2020-12-14