O SMARTPHONE NA SALA DE AULA DE LÍNGUA INGLESA: integrando artefato e tarefas pela abordagem da Teoria Ator-Rede

Palavras-chave: Smartphones, Teoria Ator-Rede, Mobile Assisted Language Learning

Resumo

O presente artigo é parte uma pesquisa de doutorado em linguística aplicada cujo objeto é o uso do aparelho celular do tipo smartphone na sala de aula de lingua inglesa em escolas públicas de periferia. O uso do aparelho celular em sala de aula já foi proibido e hoje é liberado para uso pedagógico. Mas o que seria, de fato, uso pedagógico? Liberar tal artefato no contexto escolar pressupõe dizer como ele deve ser apropriado? Com base na teoria ator-rede de Bruno Latour e colegas, este trabalho defende a tese de que o aparelho celular precisa ser tratado como um elemento mediador inserido em toda uma rede de agências e agentes que constitui o que chamamos de aula, e que o efeito da sua entrada na sala de aula depende das diferentes relações entre atores humanos e não-humanos que já ocorrem nessa rede. Toma-se por hipótese que usando-se a aprendizagem baseada em tarefas e mobile language assisted learning é possível possível integrar o aparelho ao fluxo do ensino-aprendizagem sem descaracterizar excessivamente o potencial desse artefato na vida real, e, ao mesmo tempo, mantendo-se a sala de aula produtiva, gerando aprendizagem, mesmo que de forma diferente da tradicional. 

Biografia do Autor

Luana de França Perondi Khatchadourian, IEL - Unicamp
Ph.D. student in Applied Linguistics at the Institute of Language Studies (IEL - Unicamp Brazil), working in the area of Language and Society, researching Languages and Technologies. Master in Applied Linguistics and Language Studies at PUC - São Paulo. Specialization in English Language, Spanish Language, Translation, Didactics of Higher Education and Research Methodology. English teacher at the state and private schools and as a teacher of higher education in Undergraduate courses.
Publicado
2020-08-07